Para ter sucesso nos NEGÓCIOS você deve ser Introvertido ou EXTROvertido? AMBivertido ?

Carl Jung divulgou os termos introversão que são traços da personalidade humana. A extraversão decorre de comportamento extrovertido, falante e energético, ao contrário a introversão se manifesta em comportamentos mais reservados e solitários.

Características do introvertido:

Jenn Granneman, autora do livro A Vida Secreta dos Introvertidos (em tradução livre, não publicado no Brasil) e fundadora do site Introvert, Dear, diz que "o introvertido prefere estar em ambientes calmos".
O cérebro dos introvertidos não é "programado" para receber a mesma a recompensa que recebem os cérebros dos extrovertidos ao interagir com as pessoas, explica Granneman.
"Os introvertidos são mais sensíveis à dopamina, o neurotransmissor do 'bem-estar'", diz ela, "por isso algumas situações sociais ou ambientes muito estimulantes podem deixar um introvertido esgotado, mental e fisicamente".
Por isso,"interações em que há tempo para reflexão costumam ser muito mais prazerosas para essas pessoas", diz a psicóloga. "Já as conversas entre extrovertidos podem ser rápidas como um jogo de tênis."
Granneman diz que isso faz com que muitas interações sociais acabem sendo exaustivas para os introvertidos.
Os introvertidos não são antissociais. Eles são capazes de interagir, e interagem, mas de forma diferente dos extrovertidos.
"Eles valorizam relações mais profundas, preferem conversar num grupo pequeno ou a dois", diz Granneman. (fonte: https://g1.globo.com/bemestar/....noticia/qual-e-a-dif

Características do extrovertido:
O extrovertido normalmente faz e depois pensa, depois faz de novo etc. Prefere a ação e falar sobre coisas, pois é assim que ele aprende e se energiza: da ação, das pessoas e das experiências. Por isso, é bastante expressivo e aberto ao contato e à interação.
É um tipo que demonstra facilmente seus sentimentos e expressa seus pensamentos. Tem uma atitude relaxada, aberta, franca, prefere o que é amplo, procura variedade e ação, quer estar com os outros, quer mudar o mundo e parece ser mais acessível.
O extrovertido se caracteriza por ter constante doação e intromissão em tudo, sendo por vezes considerado invasivo.
A personalidade extrovertida é direcionada ao mundo externo, confia mais no que vem de fora, é pessoa que fica satisfeita quando está cercada por outras pessoas.
Na extroversão, o indivíduo foca sua atenção no ambiente externo, adaptando-se com mais facilidade às situações do mundo exterior, pois se preocupa em se inteirar com as coisas e com as pessoas.
Quando esta característica é levada ao extremo, o comportamento pode se tornar uma fuga para a sociedade e dificuldade de entrar em contato com o “que está dentro” (sentimentos, motivações, inconsciente etc.).
Gosta de viajar, encontrar novas pessoas conhecer novos lugares e prefere comunicação oral, direta e presencial.
Como os extrovertidos são indivíduos energizados e sociais, eles se saem bem em ambientes ativos. Gostam de carreiras dinâmicas e preferem falar sobre os problemas ao invés de pensar sobre essas questões.
Ao se relacionar com um Introvertido, pode considerá-lo como um chato e negativo, metido a intelectual, muito parado e esquisito.
(fonte: https://momentocoaching.com/20....17/10/18/extrovertid

E os ambivertido ??
Jung, inclusive, identificou um terceiro grupo, mas não chegou a nomeá-lo ou escrever muito sobre ele. Foi só na década de 40 que os psicólogos começaram a pensar nessa nova categoria, a dos “ambivertidos”.
Trata-se do grupo que não fica nos extremos, mas no meio do caminho. Por conta disso, os ambivertidos costumam ter personalidades mais equilibradas: eles vão de sociais a solitários, de falantes a ouvintes, sem problema algum. “É como se eles fossem bilíngues”, diz Daniel Pink, especialista no assunto. “Eles possuem uma grande variedade de habilidades e conseguem se conectar com vários tipos de pessoas do mesmo jeito que alguém que fala inglês e espanhol consegue se comunicar com um maior número de pessoas.”

image

MINDSET

Mindset pode ser definido como um modelo ou atitude mental, um padrão de comportamento, herdado dos nossos entes familiares mais próximos: pai, mãe, irmãos, tios, ou de pessoas que exerceram ou exercem influência na formação da psique do indivíduo.

O Mindset pode ser fixo ou progressivo.

No padrão fixo o indivíduo toma decisões conforme suas experiências anteriores, repetindo as lições do passado, por exemplo: o pai dele dizia: não confie nas pessoas, isto gerou um sentimento de desconfiança que o filho tende a repetir por toda a vida se tiver um mindset fixo. Outro aspecto comportamental é sobre as crenças limitantes, reduzindo sua capacidade de desenvolvimento pessoal e profissional. Por exemplo: eu não mereço isto, não sou capaz de ser um empresário.

O indivíduo que tem a configuração mental progressiva rompe com o passado, buscando novas ideias, é criativo, considera-se potencialmente ilimitado, que pode e busca sempre mais, tem uma atitude positivista, principalmente em situações difíceis, tem atitudes empreendedoras. Exemplo: Se uma pessoa observa uma oportunidade de ganhar dinheiro e tem a configuração mental adequada para negócios, assume o risco e conquista suas metas.

Segundo Conrado Adolpho, idealizador do curso 8’S, cada indivíduo vê o mundo conforme sua programação mental, fixa ou progressiva. Ele exemplifica que se duas pessoas vão a mesma festa e um deles diz: que droga de festa, muito barulho, não conheço ninguém; o outro fala: que festa maravilhosa, uma oportunidade de conhecer novas pessoas e aumentar meu network.

O mestre Conrado ensina como você pode programar sua mente, saindo de uma atitude mental restritiva para uma ampliativa. O primeiro passo é reconhecer seu padrão: eu penso negativamente, não tenho autoconfiança, etc. O segundo passo é: quebrar este ciclo, que vem de suas experiências passadas, através do discernimento entre evidência (fato) e opinião.

image

MARCADORES SoMáTiCoS
Quando eu vi a imagem do abacaxi, fiquei com água na boca e com vontade de comer. Se aconteceu o mesmo com você este é um exemplo de gatilho mental que ativou um marcador somático, inconscientemente gerou um desejo, uma ação, e finalmente a compra e a consumação.
Segundo Lilian S Gonçalves (Neuromarketing aplicado à redação publicitária) “os consumidores fidelizados se identificam com a logomarca pelos sentimentos e associações que o cérebro construiu através de experiências passadas, armazenadas em seu subconsciente. Essas associações são conhecidas como marcadores somáticos”.
Use e abuse dos gatilhos mentais tanto de imagens, vídeos e principalmente textos.
Roube estas IDEIAS.

PISCININHA, AMOR
Se este hit do verão ativa os marcadores somáticos de seus clientes, ROUBE esta IDEIA. Aproveite a onda e aumente seu tráfico orgânico e conquiste novos clientes.
Faça como diz o ditado africano: quando o sol nascer, corra para o sucesso.

EMPREENDEDORISMO E EMPREENDEDOR

O termo empreendedor (entrepeneur) é de origem francesa e significa “assumir riscos e começar algo novo”. Já o termo empreendedorismo tem sua criação atribuída ao escritor e economista Richard Cantillon (séc. XVII), pois foi um dos primeiros a distinguir o empreendedor (pessoa que assume riscos) do capitalista (fornecedor de capital).
Em 1814, o economista francês Jean-Baptiste Say usou o termo “empreendedor” para identificar o indivíduo que transfere recursos econômicos de um setor de baixa produtividade para um setor de produtividade mais elevada. O autor enfatizou ainda a importância do empreendedor para o bom funcionamento do sistema econômico.
Schumpeter (1984), economista austríaco, defendeu o papel do empreendedor e seu impacto sobre a economia. Ele definiu o termo como alguém com desejo e potencial de converter uma nova ideia ou invenção em uma inovação bem sucedida, tendo como principal tarefa a “destruição criativa”. Para o autor, o empreendedor é capaz de modificar a economia introduzindo novos produtos ou serviços no mercado.
Um empreendedor é capaz de conceder a algo já existente uma nova funcionalidade. Constantemente empenha-se em descobrir oportunidades para inovar, sem medo de assumir riscos. Aquele que empreende, além de ser capaz de detectar oportunidades rentáveis, também busca informações e conhecimentos, pois entende que esse é o caminho para o êxito do seu negócio.
Para Chiavenato (2005), ser empreendedor é ser uma pessoa com sensibilidade e “tino” financeiro para os negócios; é ser dinâmico e realizador de propostas; é alguém que inicia e opera um negócio para realização de uma ideia ou um projeto pessoal, assumindo riscos, responsabilidades e, enfim, inovando em sua área de atuação.
(in: http://estudio01.proj.ufsm.br/....cadernos/ifce/tecnic

  • Sobre
  • Exibir inovações no mercado digital e empreendedorismo.